Destaques

Bairro do Morumbi

A fazenda Morumbi pertencia ao inglês John Rudge em 1825, que se dedicava, como bom inglês, ao cultivo de chá preto. Na época, a tal fazenda tinha urna capela em sua grande sede. Como tantos latifúndios paulistanos, a propriedade de Rudge passou por vários outros donos e foi retalhada. Com a expansão da cidade, as terras valorizaram-se.

Morumbi vem do tupi-guarani e significa "morro ou colina verde". Certo autor afirma que significa "mosca verde" (meru-obi) ou "lugar de lutas" (mará-obi), mas a primeira versão é a mais aceita pelos dicionaristas - a palavra Morumbi vem de murundu-obi.

Na década de 40 a Companhia Imobiliária Morumby fez a primeira divisão dos últimos lotes da grande fazenda. Nesse tempo, o grande estádio já estava em construção. Num ato de esperteza capitalista, a empresa contratou arquitetos para restaurarem as ruínas da antiga Casa Grande e da capela da propriedade original. Um excelente chamariz para a venda. E foi o que se viu: o local tornou- se um dos metros quadrados mais caros da cidade.

O Estado e o Estádio

Tudo trabalhou para que o bairro fosse um destaque na capital paulistana. Em 1954, ano do IV Centenário da cidade de São Paulo e da comemoração de cem anos do conde Francesco Matarazzo, foi lançada oficialmente a pedra fundamental da Universidade Conde Francisco Matarazzo. A instituição idealizou-se nos planos da Universitá Commerciale Luigi Boccone, de Milão. Para abrigá-la foi projetada uma suntuosa construção em uma grande área dos Matarazzo, no alto do Morumbi. Sua arquitetura - como não poderia deixar de ser - era italiana da década de 40, e de uma suntuosidade um tanto fascista.

As obras foram iniciadas em 1955, ao mesmo tempo em que a área ia tomando corpo de bairro nobre. Por anos e anos a construção foi se arrastando e a tal universidade jamais apareceu. Os Matarazzo fizeram várias gestões junto a fundações para que estas assumissem a direção do empreendimento. Nada aconteceu e o projeto foi por água abaixo. Ao invés do sonho, a realidade: o então governador Ademar de Barros acabou negociando com os proprietários em troca das dívidas fiscais do grupo Matarazzo. Enfim, em 22 de abril de 1964 a grande área e suas benfeitorias foram declaradas de utilidade pública através do, decreto 43.225 e, em 19 de abril de 1965, outro decreto determinou a transferência da sede do governo paulista do palácio dos Campos Elíseos para as colinas do Morumbi. Em 39 de março de 1970, sob o governo Roberto de Abreu Sodré, o Palácio dos Bandeirantes torna-se definitivamente sede do governo paulista.

Quando as obras do estádio de futebol Cícero Pompeu de Toledo estavam no início, há quase cinqüenta anos, o bairro do Morumbi era apenas um grande matagal com algumas ruas, mas raras residências... raríssimas. Na época a região ainda estava sendo loteada.

O estádio do Morumbi, o maior estádio particular do mundo, demorou anos e anos para ser entregue aos torcedores. Foi inaugurado em 2 de outubro de 1960. Nesse meio tempo, o local foi crescendo e se tomando o mais elegante, caro e valorizado da capital.

Mas mesmo o Morumbi, um dos mais lindos e caros bairros paulistanos, convive com favelas e os problemas delas decorrentes.

Fonte: Mil Faces de São Paulo - Leviano Poncino - Editora: Fênix

São Paulo Antigamente | Fundação da Cidade de São Paulo | História de São Paulo | José de Anchieta | Manoel da Nóbrega | Tamanduateí Anhangabaú Largo São Francisco | Paissandú Largo | Praça da Sé |Praça da República | Praça Ramos de Azevedo | Praça Patriarca


AddThis Social Bookmark Button